ESBOÇO 779 NÃO DESTRUAM SEUS FUNDAMENTOS



ESBOÇO 779
TEMA: NÃO DESTRUAM SEUS FUNDAMENTOS
TEXTO: ÊXODO 34:1; Dt 10:2

            Toda a nossa vida está sobre estruturas levantadas por nós mesmas, sobre ela se constrói o edifício da vida, mas nem sempre temos o cuidado de construir bases pujantes e em seguida construirmos esse edifício. Quando olvidamos esse princípio, tudo o que for construído sobre ele corre o risco de trincar as paredes e até desabar o edifício, e tudo que fora construído ao longo dos anos se perderá. A edificação é extraordinária porque sobre ela construímos coisas coisa importantes referente a vida.

1. O que devem estar construídos sobre os bons fundamentos?
1.1. O caráter;
1.2. A familiar;
1.3. Fé
1.4. Educação;
1.5. Profissão;
1.6. Casamento;
1.7. Bens.

Todas essas coisas devem estar fundamentadas sobre alicerces seguros, as vezes uma construção sobre um alicerce inseguro, pode durar alguns anos sem nenhuma anomalia, mas ao longo dos anos começam a aparecer as rachaduras, essa é uma prova de falha na base. O fundamento deve ser capaz de suportar o peso de tudo aquilo que edificarmos sobre ele. Jesus fez a comparação entre dois alicerces (Mt 7:24,25), embora o sentido da parábola era espiritual, porém é válida para a construção do edifício da vida.

2. Poder destrutivo do homem
O próprio homem é capaz de destruir tudo o que ele edificou durante a sua vida, mesmo que ele tenha construído sobre bons alicerces. Levemos em consideração que muitos destroem de cima para baixo, ou seja, ele constrói e depois ele mesmo por alguma razão vem demolindo tudo o que construiu, muitas vezes ao longo dos anos, isso acontece em todas as áreas de vida.

3. O que pode ser destruído?
3.1. O nosso caráter;
3.2. A família;
3.3. A nossa vida devocional com Deus;
3.4. Bens

4. O maior alicerce da vida
O homem tem a capacidade de desconsiderar o que é feito por Deus como regra para a conduta humana. Moisés quebrou as pedras com a lei escrita, esta era o alicerce para toda humanidade, imediatamente Deus reagiu dizendo: “Corte duas placas de pedras iguais àquelas que você quebrou, e eu escreverei nelas as mesmas palavras que estavam nas primeiras.” (Ex 34:1), refazer o que muitas vezes quebramos tem um custo, esse sacrifício exigido por Deus, sacrifício a mais que deveria ser evitado. As exigências de Deus devem ser cumpridas vejamos: “...e eu escreverei nas placas aquilo que escrevi naquelas que você quebrou. Depois ponha na arca”. (Dt 10:2)

A palavra de Deus é o maior fundamento, sobre ela o homem constrói todo edifício da vida.

            Devemos ter muito cuidado na hora de construir, os alicerces das nossas construções não devem ser ignorados, eles devem ser bem preparados para suportar o peso do que será construído. Muitos empreendimentos desabam porque os alicerces não suportaram, seja ele em que área for. Na vida construímos muitas coisas, nosso caráter, a nossa família, a nossa vida sentimental e amorosa, profissão, casamento, bens, e nossa vida religiosa, mas é imprescindível saber se eles só estarão firmes sobre um bom alicerce. Uma coisa é real depois que construímos algo sobre um alicerce não se pode mais nele mexer, a não ser refazê-lo recomeçando tudo novamente. As vezes temos que fazer isso “recomeçar” do zero.

Pr. Elis Clementino – Paulista -PE
AD Excelência

ESBOÇO 778 O LABORATÓRIO DIVINO



ESBOÇO 778
TEMA: O LABORATÓRIO DIVINO
TEXTO: Não somente isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança.  (Romanos 5:3,4)

                Laboratório, ambiente onde se desenvolvem pesquisas em diversas áreas, sejam de coisas, animais ou humanas e etc. É através dessas pesquisas que se obtém outros resultados. Os sistemas onde se faz pesquisas laboratoriais avançam nas grandes descobertas científicas, isso é fato reconhecido e comprovado o pelos benefícios que trazem a humanidade, mas não é isso sobre isso que irei falar através da minha escrita, e sim, sobre os processos de Deus na transformação e preparação do caráter humano com a finalidade de desenvolver algo que esteja relacionado aos propósitos de Deus, no entanto observamos o que disse Paulo, a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência, e a experiência, esperança. Em tudo isso há um processo para que uma coisa determine outra dentro dos propósitos de Deus. Vejamos como Deus realizou algo em alguns indivíduos com o desejo de obter outros resultados.

1. Abrão, é impossível falar desse homem sem refletir a sua trajetória, chamada e promessas de de Deus sobre a sua vida. Basta ler inicialmente capítulo 12 do Gêneses para começar a entender    como Deus trabalhou em sua vida preparando-o para algo maior e melhor. Muitas vezes não entendemos os caminhos que Deus nos conduz, é como se estivéssemos em um laboratório sendo lapidado como se fôssemos uma pedra preciosa, vamos passar mais adiante e falarmos sobre outro homem José.

2. José, a sua história nos dá a entender que ele tenha sido forjado nesse laboratório divino, pois os processos de Deus para ele iam sendo revelado ainda menino e sem experiência nenhuma de vida, ainda criança, tentaram apagar os sonhos de José, rasgaram a sua túnica, o jogaram na cova, o venderam, foi acusado pela mulher de Potifar, José foi preso, no entanto, não conseguiram apagar os propósitos de Deus em sua vida.

3. Moisés, a sua preparação começou ainda recém-nascido, sendo jogado no rio Nilo em um, cesto de junco e betumado, cujo destino somente Deus sabia, mas, por uma provisão divina foi o menino foi parar nos braços da filha de Faraó. Quando lemos a história dos hebreus entendemos que tudo aquilo que Deus fez desde a sua infância fazia aparte do processo divino, e que ele estava sendo preparado para algo melhor que resultaria na libertação dos hebreus.

4. Davi, um menino pastor de ovelhas, ele foi preparado no campo, trabalho árduo enfrentando as feras com coragem e determinação, Davi estava sendo acompanhado por Deus que via nele coisas que atraíram o coração de Deus. Jamais sabia ele e seus familiares que Deus o havia escolhido para uma missão “ser rei de Israel” até a chegada de Samuel em sua casa para realiza uma vontade divina (I Sm 16).

5. Jó, ao lermos o seu livro, podemos ver a inocência de um justo, que subitamente perde todos seus bens sem saber porque, algo estava para ser provado para alguém, “a sua fidelidade a Deus”. Ninguém entendia o porquê de tudo aquilo, a sua mulher e seus próprios amigos ignoravam e aumentavam a sua dor quando o acusava de pecar contra Deus, era um processo, refinado como é o ouro e a prata, todos se confundiam com aquela situação, mas resultou em bênçãos muito maiores (Tg 5:11).

6. Jeremias, o profeta chorão, mas somente ele sabia quão dura era a sua missão, profetizar para o reino do Norte mostrando que a conversão a Deus, seus sofrimentos faziam parte dos propósitos de Deus. A dor e a agonia, prisão, amarrado num cepo, e jogado num calabouço, as conspirações por ele sofrida tinham a participação da sua própria família, ninguém queria ouvi-lo, o desespero tomou conta, vendo ele que parecia perder tempo porque ninguém lhe escutava, até que Deus falasse com ele (Jr 12:5-7), não importa qual seja a missão, ela deve ser cumprida.

7. Paulo, este homem era extremamente zeloso pela sua religião, foi ensinado aos pés de Gamaliel, ele perseguiu os cristãos de maneira cruel, fez parte da morte de Estevão, a sua perseguição durou até o dia do seu encontro com Jesus no caminho de Damasco (At 9:3-6).  Nas suas cartas podemos ler a trajetória da sua vida a partir daquele encontro, os sofrimentos marcaram a sua vida até a sua trágica morte pelo imperador romano.

8. Você, entendemos que há trabalhar de Deus a nosso respeito, ele realizará em nós tanto o querer quanto o efetuar (Fp 2:13), por essa razão os processos usados por Deus podem causar alguns desconfortos, mas não devemos nos inquietar porque essas coisas fazem parte dos processos laboratoriais (Rm 5:3,4). É através desses processos uma formula resultam em outras como se ler no texto em apreço.

                Amados não desanimem mediante as dificuldades, o importante são os resultados que elas produzirão, Deus está trabalhando por aquele que nele espera (Is 64:4). Os desencontros durante esse trabalhar fazem parte do processo “Foi bom ter sido afligido, pois somente assim aprenderia os teus mandamentos. ” (Sl 119:71), portanto devemos entregar o nosso caminho ao Senhor e nele confiar, porque tudo ele fará. “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio dia.” (Sl 37:5,6), portanto descanse nele porque tudo isso resultará em algo maior e melhor. “Não somente isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. ” (Rm 5:3,4), por essa razão considero um verdadeiro o trabalhar divino é uma verdadeira obra de laboratório, onde uma determinada coisa produz outra.

Pr. Elis Clementino – Paulista -PE
AD Excelência


ESBOÇO 777 OS DONS ESPIRITUAIS



ESBOÇO 777
TEMA: OS DONS ESPIRITUAIS
“Mas a manifestação do Espírito Santo é dada a cada um para o que for útil” (I Co 12.7).

O termo usado para falar sobre os dons espirituais (CHARISMA) relaciona com a palavra graça, que significa algo dado à igreja através da graça divina. Os dons espirituais são dados aos cristãos que buscarem, no entanto devemos conhecê-los e como eles funcionam (I Co 12:1), assim podemos usá-los de maneira correta e proveitosa. Os dons espirituais são ornamentos para a igreja do Senhor. Articularemos de forma simples sobre a sua veracidade, variedade, quais os dons, distribuições e finalidades.

Veracidade
Os dons espirituais é uma das verdades que deve ser difundida na igreja, infelizmente alguns pregadores se amoldam a outros temas e deixam de lado às doutrinas fundamentais, essa substituição tem levado muitos crentes a não se interessarem sobre o tema ou sobre manifestação do Espírito Santo na igreja. O estimado apóstolo Paulo já via essa falta de apreço sobre o uso dos dons espirituais na igreja de Coríntios (I Co 12.1), constitui-se falta de conhecimento o uso incorreto dos dons espirituais.

Variedade de dons
Paulo apresenta uma diversidade de operações desses dons concedidos aos crentes, mas a fonte é uma só ESPÍRITO SANTO (I Co 12.4-6). São nove os dons espirituais, eles estão distribuídos na igreja entre os crentes e com finalidades especificas.

Os dons ministeriais
Esses dons descritos por Paulo (Rm 12.6-8 e Ef 4.11) não podem ser confundidos com os dons espirituais, pois os ministeriais foram dados a igreja também com finalidades específicas; preparar o povo para o trabalho cristão; e o aperfeiçoamento da igreja “... querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo” (Ef 4.12) e crescimento espiritual do corpo de Cristo, conforme o propósito divino (Ef 4.13-16). Deus chama pessoas e capacita-as para o serviço cristão.

Os dons espirituais
(1) A uns o Espírito Santo dá a mensagem da sabedoria; (2) A outros, o mesmo Espírito dá a mensagem do conhecimento; (3) Outros recebem, pelo mesmo, Espírito o dom da fé; (4) A outro, o poder de curar; (5) Outro recebe o dom de operar milagres; (6) Outro recebe o dom de anunciar a mensagem de Deus; (7) Outro recebe o dom de discernir os espíritos, ou seja, se eles são de Deus ou não; (8) Para outro é dado o dom de línguas estranhas; (9) A outro, a interpretação dessas línguas (I Co12.8-10). Mas, esses dons vêm de um só Espírito e são distribuídos conforme a sua vontade, eles não são motivos de exibição pessoal ou promoção espiritual, mas são para edificação da igreja. Há dois tipos de dons que são mais conhecidos e mais usados na igreja, são eles: Os dons de línguas estranhas e o de profecias, embora muitos cristãos não saibam usá-los, além de ignorar os de sabedoria e de conhecimento quando são manifestos na igreja através daquele que está ministrando a palavra. Observem que eles focam mais os dons de línguas e o de profecias (I Co 14.18,19). É bom entender que cada crente pode ter mais de um Dom espiritual, pois as escrituras não determinam a quantidade que você pode ter.

Não apresentarei os dons espirituais conforme a ordem que Paulo descreveu em sua epístola (I Co 12.8-10), e sim pela classificação.
Dons de Revelação:
1) Palavra de Sabedoria (I Co 12.8ª) É uma palavra ou uma proclamação do Espírito Santo, para satisfazer a necessidade de solução de um problema particular.
(2) A palavra do conhecimento (I Co 12.8b) é a manifestação sobrenatural de algum fato que existe na mente de Deus, por sermos limitados não podemos conhecer, a não ser que o Espírito Santo revele, fazendo com que o homem se torne participante da onisciência de Deus.
(3) Discernimento de Espírito (I Co 12.10c) Através deste dom Deus revela ao crente a fonte e o propósito de qualquer forma de poder espiritual, se é de Deus ou não.

Dons de Poder
Os dons de poder são aqueles que se expressam conforme abaixo:
4) Dons de curas (I Co 12:9b), no grego, tanto o dom de (curar) como seu efeito, observem que está no plural, o que nos leva a entender que existe uma variedade de modos na operação deste dom.
5) Operação de Milagres (I Co 12.10a) Ambas as palavras aparecem no original grego, no plural, o que sugere que há uma variedade de modos de milagres e atos de poder. Por milagres e maravilhas entende-se que todo e qualquer fenômeno que altera uma lei estabelecida.
6) Profecia é uma proclamação do Espírito Santo sobre algo a revelar que não está na mente humana, ele serve para exortar e edificar a igreja, é um dom que necessariamente deve ser buscado (I Co 14.1). (7) Fé (I Co 12.9a)
7) O Dom da fé esse se entende como uma fé especial e sobrenatural é o verdadeiro apelo a Deus no sentido de que Ele intervenha sobre nós quando se esgotam todos os recursos humanos.

VI. Dons de Inspiração
Inspiração – Na teologia é o movimento divino segundo a fé cristã, os escritores das escrituras sagradas foram movidos e guiados por Deus para escreverem. (8) Variedade de Línguas (I Cor 12.10d). É a expressão falada e sobrenatural duma língua nunca aprendida pela pessoa que fala, nem mesmo o que fala sabe, a não ser que haja alguém que também de maneira sobrenatural interprete. (9) Interpretação das línguas – É a capacidade sobrenatural dada pelo Espírito Santo para interpretar, ou seja, as línguas estranhas devem ser interpretadas senão tornar-se-á sem fruto para os ouvintes.

Os crentes pentecostais devem buscar os dons espirituais, sobretudo o de profetizar (I Co 14.1), cuja finalidade é enriquecer e edificar a igreja, dádiva que somente o Espírito Santo pode realizar. Buscar a plenitude do Espírito é querer ser completo, infelizmente muitos crentes não estão dando prioridade a busca desses dons, pois devemos sentir a necessidade de buscá-los, através da oração que é o ponto de partida para se obter o batismo no Espírito Santo e através dele receber os DONS ESPIRITUAIS.

Consulta: Bíblia Estudo Pentecostal
Pr. Elis Clementino – Paulista – PE
AD Excelência

Foto