ESBOÇO 760 ESCOLHA O MELHOR

ESBOÇO 760
TEMA: ESCOLHA O MELHOR
TEXTOS: Gn 2: 18; Dt 30:15,19; Mt 7:24,25; Mt 6:24; Tg 3:11

                Desde o início Deus pôs diante do homem o livre arbítrio para fazer as suas escolhas, mas em todos elas ele indicou qual deles deveriam ser escolhidos, contudo ele deve escolher os ditados por Deus. Às vezes a decisão de escolher um e abdicar outro cause certos sofrimentos, porque a visão que os homens têm é que os melhores são as coisas que lhes promova sensações de liberdade e prazer, muitos desses caminhos contrariam os ditados por Deus. Todo indivíduo tem o livre arbítrio para fazer as suas escolhas em todos os sentidos da vida, mas é preciso ter cuidado com o que irá escolher, pois a salvação, a paz e a felicidade estão incluídos entre os que são prejudiciais. As escolhas especificadas por Deus são os melhores e todos estes prefiguram a pessoa de Jesus Cristo.

1. Comer ou não comer
No princípio Deus deu a ordem para não comerem da árvore da ciência, porém Adão e Eva poderiam escolher entre comer e não comer (Gn 2:16,17), porém eles tinham a consciência que comer se constituía uma desobediência a Deus, e o resultado seria trágico. O homem é responsabilizado pelas suas escolhas, essa é a lei da semeadura implantada pelo próprio Deus.

2. Vida ou a morte
Diante do homem estão postos a vida e a morte, mas ele apenas escolherá um, ou a morte ou a vida, os dois não, essa escolha deve ser bastante sábia “Para o entendido, o caminho da vida leva para cima, para que se desvie do inferno que está em baixo. ” (Pv 15:24). Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, ” (Dt 30:19). A bondade divina é grande, e ainda aconselha qual caminho deve escolher.

3. Os dois senhores
Ninguém pode agrade a dois senhores, uma posição deve ser tomada de obedecer um ou ao outro (Mt 6:24; Lc 13). O homem não pode servir a Deus e ao mundo, quem se constitui amigo do mundo se constitui inimigo de Deus. A nossa devoção a Deus não pode ser dividida, entretanto o homem não podemos servir a Deus e as riquezas (Lc 16:24).

4. Os dois caminhos
Jesus apresentou dois caminhos, um largo e espaçoso, muitos entravam por ele, e outro estreito e poucas pessoas tinham interesse em entrar por ele, pois o caminho estreito é o da renúncia, “E dizia a todos: Quem quiser vier após mim, negue-se a si mesmo tome a sua cruz e siga-me. ” (Lc 9:23,24). “Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vem ao pai a não ser por mim. ” (Jo 14:6);

5. As duas portas
Apenas duas portas foram postas diante do homem, a larga e a estreita (Mt 7:13,14), mas apenas uma delas deve ser escolhida, a larga é a porta que não exige limites ao homem, porém a estreita é a porta que dá acesso a Deus, essa porta é Jesus “Eu sou a porta, pela qual os justos entrarão” (Jo 10:9).

6. Os dois fundamentos
Jesus também apresentou os dois fundamentos para que o homem fundamente a sua casa espiritual Mt 7:23,24), nessa parábola ele apresenta as atitudes entre os néscios e os sábios, onde cada um escolhia onde edificar a sua casa. Em que fundamento você está construindo a sua casa? Na areia ou na rocha?

7. O pão e a água
Existem fontes de alimentos essenciais para a subsistência humana, o pão e a água, eles podem até serem impróprias para o consumo humano, porém há também próprias para o consumo. No sentido espiritual acontecem as mesmas coisas, podemos fazer as nossas escolhas. Esse pão e água representa Jesus “Eu sou o pão da vida” “Dá água que eu lhe der nunca mais terá sede” “Quem tem sede venha a mim e beba” (Jo 4:14; Ap 21:6).

                Observamos que são apresentados elementos para serem escolhidos, comer ou não comer, escolher a morte ou a vida, os dois senhores, os dois caminhos, as duas portas, os dois fundamentos e os dois alimentos. Mediante tudo que nos é apresentado na atualidade temos livre arbítrio para escolher, e nenhuma outra pessoa deverá fazer isso por nós, ou seja, a escolha é propriamente sua. Todas essas coisas são apresentadas pelas leis estabelecidas pelos homens como também através da palavra de Deus, a fim de que o homem escolha qual deve seguir, mas é preciso cuidado para não escolher o pior, porque “Há caminhos que parecem direitos aos nossos olhos, mas são caminhos de morte” (Pv 14:12). Escolha bem, prefira os caminhos que construam em você tudo de bom, sobretudo em relação ao espiritual, escolha o melhor.

Pr. Elis Clementino- Paulista -PE

AD Excelência

ESBOÇO 759 AS DECORRÊNCIAS DA MÁ ESCOLHA

ESBOÇO 759
TEMA: AS DECORRÊNCIAS DA MÁ ESCOLHA
TEXTO: GÊNESES 12-13

                Todo indivíduo tem o livre arbítrio para fazer as suas escolhas, ele escolhe lugares, coisas e até pessoas para conviverem e se relacionarem, porém ele deve saber que os resultados recairão sobre si. Quando o homem escolhe pode ser aprovado por Deus ou não, a aceitação divina somente ocorrerá quando as escolhas estiverem dentro da sua vontade.

1. A chamada de Abrão
Deus fez uma aliança com Abrão, quando somos chamados por Deus somos chamados também com aliança. Deus não chama o indivíduo sem que haja algo para ser realizado por ele. Abrão foi chamado para ser pai de nações, a chamada de Deus em sua vida indicava um novo começo; para cada pessoa Deus tem um chamado especifico.

2. Homem escolhendo homens
Assim como Deus escolhe homens para executar a sua vontade, os homens também escolhem homens, embora Haja uma diferença entre os chamados por Deus e os chamados por homens, a diferença é: Os homens escolhem pelo que vê (Eliabe); Deus escolhe o homem segundo o que ele vê no seu coração (Davi).

3. Abrão leva consigo Ló
Abrão foi ordenado por Deus deixar a sua terra Ur do Caldeia (Hoje o Iraque), na sua saída acompanhou o seu pai que morreu em Harã (atualmente Norte da Siria), e o seu sobrinho Ló, porém a sua companhia resultou em muito trabalho ao seu tio. Muitas vezes as pessoas que escolhemos para nos acompanhar não estão ligadas ao projeto divino, e isso ocasiona sérios transtornos posteriores. Deus falou para sair de Ur somente Abrão e sua mulher, mas ele não fez como o Senhor lhe ordenara. A Obediência a voz divina é um dos fatores preponderante para o nosso sucesso, se fizermos o contrário pagaremos um alto preço, embora Ló fosse um homem crente, como o escreveu o apóstolo Pedro em uma das suas cartas (2 Pe 2:7), no entanto as fraquezas de Ló foi um resultado da má escolha de Abrão.

4. As imperfeições humanas
É verdade que Abrão falhou em algumas tarefas, essa é uma das provas das imperfeições humanas, mas a escolha precipitada de levar consigo o seu sobrinho não foi boa, foi através dela que Ló definiu o modelo de vida que ele teria pela frente. Ló era ainda terro e não tinha experiencias suficiente para acompanhar a missão do seu tio. A prisão pelos laços do relacionamento pode trazer problemas sérios para o indivíduo, como trouxe Ló para Abrão.

5. As implicações de uma má escolha
Abrão enfrentou dificuldades estremas na companhia de Ló, Deus abençoou Abrão e consequentemente Ló, no entanto Abrão não era egoísta, ele sabia que as benções advindas de Deus beneficiariam tanto ele quanto o seu sobrinho. Em uma sociedade nem todos sabem crescer juntos, a ambição de um dos sócios pode estragar todo projeto pela frente, embora mediante uma provável separação um deles não saiba ainda andar sozinho com seus próprios pés, mas uma situação de desgastes já fora criada com a separação, pois uma separação acontece por algumas razões. Abrão e Ló cresceram em gado, ovelhas, ou seja, ambos os rebanhos cresceram, e os pastores de Ló iniciaram uma disputa por terras de bom pasto, isso gerou um incomodo muito grande entre eles (Gn 13:1-13). O que Deus havia preparado para Abrão iria muito mais além da sua imaginação, os propósitos de Deus são assim, eles fogem dos nossos pensamentos, e, é verdade (Is 55:).

6. A tranquilidade de Abrão e a escolha de Ló
Abrão amava seu sobrinho e não queria ver a sua derrota, quem ama de verdade quer ver o bem do outro e não a desgraça. Em hipótese alguma um cristão deve desejar a desventura do outro, Abrão nos deu uma aula de PACIÊNCIA, EQUILÍBRIO EMOCIONAL e CONFIANÇA NAS PROMESSAS DE DEUS, isso o fez tomar uma das decisões mais sábia e importante em sua vida, não havia outra saída para o conflito, a não ser a separação deles.

7. As escolhas
A escolha dos caminhos, foi aquele tipo; se você for para direita eu vou para esquerda, se fores para o sul eu vou para o norte, contanto que não haja brigas entre nós, irmão somos. Você seria capaz de tomar decisões assim para evitar conflitos e manter a paz? Era um momento de decisão importante para ambos (Gn 13:9), Ló passando o seu olhar engordado pela ambição viu a campina do Jordão e escolhe ir para lá (Gn 13:11). Nem sempre as nossas escolhas por melhores que pareçam aos nossos olhos são as melhores, principalmente aquelas que fazemos sem a direção de Deus, Ló foi para em Sodoma (Gn 13:13). “Há histórias de vida que vão unindo cada vez mais as pessoas. Mas há histórias de vida que vão separando as pessoas. ”

                A lição que extraímos nesse assunto é que os propósitos que Deus tem exclusivamente para você não envolva outras pessoas. Muitos obreiros têm tido o seu trabalho prejudicado porque envolveu pessoas no projeto sem a permissão de Deus. O maior exemplo disso foi Abrão escolher Ló para lhe acompanhar, atualmente os conflitos entre pastores deviam ser resolvidos nos conformes e equilíbrio como fez Abrão, a confiança dele era inabalável, por isso ele fez a feliz escolha, embora de certa visão a maneira de escolher iria determinar o seu fracasso, no entanto Ló fez diferente, olhou para as Campinas do Jordão e preferiu ir para lá não sabendo ele que seria a pior escolha. Deus honrou a Abrão e prometeu abençoá-lo aonde ele pusesse a planta do seu pé. Deus mudou o nome Abrão para Abraão (Gn 17). A separação não fez com que ele abandonasse seu sobrinho, os laços familiares jamais devem ser quebrados, mas conservado em quaisquer circunstancias. Em nenhum momento Abraão demonstrou arrependimento de ter caminhado com Ló, mas continuou intercedendo por ele até quando avisado quando o levaram cativo resolveu libertá-los, outra ocasião foi em relação da destruição de Sodoma intercedendo por Ló. Qualquer ressentimento de uma má escolha devemos deixar para trás e seguir em frente, portanto o que o Senhor tem para você ninguém conseguirá apagar.

Pr. Elis Clementino – Paulista -PE

AD Excelência

ESBOÇO 758 A FATUIDADE DO CORAÇÃO

ESBOÇO 758
TEMA: A FATUIDADE DO CORAÇÃO
TEXTO: “Há uma geração cujos olhos são altivos, as pálpebras são sempre levantadas. ” PROVÉRBIOS 30:13

                  A soberba do coração tem sido um dos males que tem aumentado na atualidade, ela tem prejudicado muitas pessoas, principalmente aquelas que se destacam de alguma maneira na sociedade em algum grupo social, inclusive nas igrejas. As pessoas atingidas pela soberba são capazes de ir ao extremo, podendo causar danos para si e as outras pessoas. Nesse assunto discorrerei sobre o significado, características e exemplos de pessoas atingidas por esse mal

1. Significado
(1) Fatuidade é a soberba que dá ao indivíduo um sentimento de dignidade pessoal; (2) Conceito elevado ou exagerado de si próprio, o indivíduo olha somente para si; (3) Amor próprio demasiado; (4) Soberba; orgulho excessivo, altivez, arrogância, sobranceria. As pessoas atingidas por esse mal se sentem acima de tudo e de todos, geralmente elas não aceitam conselhos e opiniões, as suas idéias devem prevalecer a todo o custo. Geralmente ele se recusa a dialogar a respeito de algo que ele entenda tirar-lhe alguns privilégios ou contrariar o seu entendimento. “As pessoas precisam saber que o orgulho precede a ruína e a altivez de espírito à queda” (Pv 21:4).

2. Características
Os orgulhosos têm características que lhes são bem peculiares (1) A prepotência (muito poderoso ou influente; que abusa do poder ou da autoridade; opressivo, despótico) (Sl 10:2-4; Sl 73:6; Sl 119:21; Pv 6:17); (2) Palavras arrogantes contrariam os ensinamentos bíblicos (1 Sm) 2:3); (3) Não são servidores, virtude que nos dá o sentimento da nossa submissão, modéstia, respeito, reverência.

A Bíblia condena o coração orgulhoso ou soberbo, levemos em consideração o que o apóstolo Paulo falou a respeito da soberba, “Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos.” (Rm 12:16. “Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham as esperanças na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos” (I Tm 6:17). Praticamente todo arrogante desconhece que ele necessita dessas qualidades para que ele tenha sucesso no que fizer.

3. Pessoas com Atitudes Orgulhosas
1.       Faraó, o seu orgulho escravizava pessoas (Ex 5:2).
2.       Naamã, o seu orgulho era o impedimento do milagre (2 Rs 5:11).
3.       Uzias cresceu até que a sua fama voou (2 Cr 26:16).
4.       Ezequias se orgulhou, mas não reconheceu o que o Senhor fizera por ele (2 Co 3:25).
5.       Hamã, seu coração se encheu de orgulho a sua queda foi fatal (Et 3:5; Isa 10:13; 14:13; 47: 10; Ez 28:2; 31:10).
6.       Nabucodonozor, o seu orgulho foi a causa da sua humilhação (Dn 4:30);
7.       Belsazar rei orgulhoso fez Deus escrever a sua sentença na parede (Dn 5:23).

3. Pessoas espiritualmente orgulhosas
1.       Eliú se considerou limpo e sem pecado (Jó 33:9);
2.       O fariseu que orava humilhava o publicano (Lc 18:11);
3.       O homem do coração inchado (Hb 2:4; I Co 4:18);
4.       O rico que de nada sentia falta (Ap 3:17)

“Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade. Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas tolo; por que morrerias antes do teu tempo? (Ec 7:15-17)”. Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso. (v18).

                   O orgulho arruína as pessoas (Pv 11:2; 13:10; 16:18), A soberba está presente no sistema mundano (I Jo 2:16). As pessoas orgulhosas não medem as conseqüências do seu orgulho, é através dele que vem a justiça própria, autoconfiança, arrogância, auto-exaltação, isso é embaraço na vida das pessoas cristãs. Tenham cuidado! Se revista da humildade que é o melhor caminho para estar bem com Deus e com o próximo. A maior lição foi divina (Mt 11:29).

Pr Elis Clementino- Paulista – PE
AD Excelência


ESBOÇO 757 OS PROPÓSITOS DE DEUS

ESBOÇO 757
TEMA: OS PROPÓSITOS DE DEUS
TEXTO: ECLESIASTES 11:5; ISAÍAS 55:9

                Há muitas coisas no mundo que não entendemos como acontecem, elas estão acima das nossas capacidades de entendimento, por essa razão nos inquietamos por não termos explicação sobre elas. Os acontecimentos muitas vezes nos deixam perplexos e sem saídas, no entanto gostaríamos de conhecê-los detalhadamente como eles se discorrem, mas devido as nossas limitações não podemos alcançá-las “Assim como não sabes o caminho do vento e nem como se formam os ossos no ventre da que está grávida, assim são as obras de Deus que faz todas as coisas” (Ec 11:5; Is 55:9). Os propósitos de Deus nas nossas vidas são assim, ninguém entende.

1. Os propósitos de Deus
Nem sempre as coisas acontecem conosco da maneira ou modo que queremos, no entanto elas acontecem de modos alheios e involuntários as nossas vontades, mas precisamos entender que essas coisas fazem parte dos propósitos divinos. Para o cristão esses acontecimentos não devem ser motivos de desesperos, Deus está no controle de tudo - “Deste a antiguidade não se viu e nem com os ouvidos se perceberam que há um Deus que trabalhe por aquele que nele espera” (Is 64:4).

O trabalhar de Deus em nossas vidas certos momentos são dolorosos até chegar a se concretizarem os seus propósitos. A Bíblia Sagrada apresenta vários personagens que se destacaram na sua história, atravessaram gerações, e todos eles tiveram sofreram até que os propósitos de Deus fossem cumpridos através deles. Nesse mote destacaremos alguns.

a) José do Egito
A trajetória da sua história comprova que houve uma intervenção divina em sua vida com propósitos, os processos começaram logo cedo com grandes e importantes revelações entre seus irmãos. Quando as nossas vidas são entregues a Deus e mantemos a nossa fidelidade, ele realizará todos os seus propósitos (Gn 41:41). Para cada indivíduo Deus tem um propósito diferenciado, o que ele tem para uns, pode não ter para outros. Os dolorosos processos divinos o levaram José a ser governador do Egito, mas a convicção de José em relação ao seu povo era que as promessas de Deus a Abraão se cumpririam com a conquista da terra prometida e recomendou que transportassem seus ossos até lá (Gn 50:25; Hb 11:22);

b) Abraão
Deus o chamou e o fez sair do meio da sua parentela. Muitas vezes o Senhor nos tira de uma zona de conforto par algo maior e melhor, mas para isso há um processo que muitas vezes são dolorosos, mas o resultado sempre será maravilhoso. Foi através da obediência de Abraão a Deus que todas as nações se tornaram bendita, mas meditemos nos processos que ele passou. (Gn 12:1-5);

c) Moisés, a sua história mostra que houve um propósito e um caminho traçado por Deus, isso muito antes do seu nascimento, pois havia um propósito de Deus para o povo hebreu, a libertação dos hebreus da escravidão, o seu livramento, a sua chamada e como se deu a liberação comprovam o trabalhar de Deus (Ex 3:1-10)
d) Davi
De um simples pastor de ovelhas a rei de Israel, estando ele por detrás da malhada enfrentando as feras do protegendo as ovelhas do seu pai. Não importa onde você esteja, e nem as suas condições, se boas ou ruins, os planos de Deus independem do local onde você está, e o que esteja fazendo, os propósitos do Senhor lhe alcançam em qualquer lugar e situação, se necessário ele quebra o vaso e refaz outro. Nem mesmo Davi entendia o que o Senhor havia de fazer através dele, as promessas de Deus para ele atravessaram gerações, homem segundo o coração de Deus. Davi enfrentou muitos sofrimentos, foi afligido, mas reconheceu que contribuíram para que guardasse os mandamentos de Deus “Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos. ” (Sl 119:71) da sua raiz veio o salvador do mundo. Não devemos desprezar os propósitos de Deus pelo fato de sofrermos, por tudo contribuem para o bem (Rm 8:28).

e) Jeremias
Jeremias foi um dos que foram levados cativos para Babilônia, jamais ele pensaria que fosse chamado para a mais dura missão de profeta, ele não estava entendendo o querer de Deus, muitas vezes é assim, é preciso que o Senhor alguém com uma missão marcada pelo sofrimento e dor. Jeremias seria usado a uma nação rebelde a voz de Deus, todos se levantaram contra ele, até a sua própria família, mas através de todo esse sacrifício o propósito de Deus era restaurar o seu povo dos pecados. Deus muitas vezes faz como fez com Jeremias leva a casa do oleiro, a maior lição para Jeremias foi ir a casa do oleiro para vê-lo trabalhar com o barro, lição extraordinária, não esqueça que você é o barro amassado e trabalhado pelo oleiro, embora que o vaso quebre nas suas mãos, porém outro novo e mais bonito sairá das mãos do oleiro para honra (Jr 18:2).

                Amados não estranhem a maneira de o Senhor te modelar, muitas vezes somos quebrados em cacos entre outros cacos, mas refeitos pelo oleiro nos tornamos vaso de honra. O apóstolo Paulo disse que Deus pôs um tesouro dentro desse vaso de barro que é você, por isso não devemos nos orgulhar, porque toda a nossa riqueza é por causa do tesouro “Cristo” no seu coração (2 Co 4:7). As pessoas que se entregam nas mãos de Deus certamente não decepcionados, pois Deus cuidará deles de maneira especial. “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele e ele tudo fará” (Sl 37:4).

Pr. Elis Clementino – Paulista –PE

AD Excelência

ESBOÇO 756 O TESTEMUNHO DE UM BOM CARÁTER

ESBOÇO 756
TEMA: O TESTEMUNHO DE UM BOM CARÁTER
TEXTO: “Então, responderam: Em nada nos defraudaste, nem nos oprimiste, nem tomaste coisa alguma das mãos de ninguém. E ele lhes disse: O SENHOR é testemunha contra vós outros, e o seu ungido é, hoje, testemunha de que nada tendes achado nas minhas mãos. E o povo confirmou: Deus é testemunha” I SAMUEL 12:4,5.

            O que menos pensamos é o que os outros pensam de nós, ninguém escapa, finalmente todos são observados pelas outras pessoas. Cada indivíduo tem uma visão diferente das outras, isso depende das atitudes de cada uma delas, e como elas são vistas, isso ocorre de maneira natural, no entanto devemos nos preocupar sim com o que dizem de nós. A boa reputação é o passa-porte que dá acesso aos caminhos da vida, por isso duas perguntas são essenciais: O que os outros pensam de você? O que os outros vêem em você?

1. Reputação
1.1. O que é reputação?
Podemos definir como o conceito que se tem de uma pessoa a partir do público ou de uma sociedade em que vive, diz-se que a reputação chega primeiro que o indivíduo, ela pode ter duas qualidades boa ou má.

1.1.1.      Má reputação
A má reputação é fundamentada nas ações de uma pessoa, elas são vistas e julgadas pelas outras pessoas. A má reputação está ligada ao caráter do indivíduo, e não há como desvinculá-las. "O caráter é como uma árvore e a reputação como sua sombra. A sombra é o que nós pensamos dela; a árvore é a coisa real." (Abraham Lincoln)

1.1.2.      Boa reputação
A boa reputação é louvada, qualidade que enobrece o indivíduo a partir do público ou de uma sociedade em que vive. Samuel era um profeta conhecido pela sua boa reputação; Porém ele lhe disse: Nesta cidade há um homem de Deus, e é muito estimado; tudo quando ele diz sucede; vamo-nos, agora, lá; mostrar-nos-á, porventura, o caminho que devemos seguir(I Sm 9:6).

A boa reputação de um indivíduo é reconhecida não somente nos momentos solenes, mas em casa, no trabalho, e na sociedade em que vive. Na Bíblia Sagrada temos um considerável exemplo de Samuel na transferência de cargo, ou seja, quando Samuel Saul é aclamado a rei de Israel, vejamos o seu belo testemunho público: “Agora, pois, eis que tendes o rei à vossa frente. Já envelheci e estou cheios de cãs, e meus filhos estão convosco; o meu procedimento esteve diante de vós desde a minha mocidade até ao dia de hoje. Eis-me aqui, testemunhai contra mim perante o SENHOR e perante o seu ungido: de quem tomei o boi? De quem tomei um jumento? A quem defraudei? A quem oprimi? E das mãos de quem aceitei suborno para encobri os meus olhos? E vo-lo restituirei” (I Sm 9:2,3). Que belo testemunho, não é? (A nossa reputação faz calar os nossos inimigos, falta-lhes coragem para enfrentar a nossa honra). O seu estilo de vida era reconhecido pela sociedade naquela época que confirmaram tudo quanto ele falou em público “Em nada nos defraudaste”. Esse belo exemplo deve ser dado nos dias de hoje pelos líderes cristãos, no entanto muitos deles tem sido motivo de escárnio.

            A reputação deve sempre ser vista na vida dos homens de Deus, quando lemos o texto em apreço notamos que havia um conceito espiritual. Samuel era reconhecido como um homem de Deus que falava a verdade, e tudo quanto ele falava sucedia infalivelmente, ele era um homem digno, honrado, seu testemunho comoveu os corações naquela solenidade de transmissão de cargo, ele não mais seria juiz do povo, mas continuaria com o extraordinário título de homem de Deus. Será que não podemos ter a mesma honradez daquele homem? No conceito de Paulo devemos ser considerados como ministros de Cristo e despenseiros fiéis “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel” (I Co 4:1,2). (A dignidade não tem preço, é o maior patrimônio que o ser humano pode ter.)

Pr. Elis Clementino – Paulista –PE

AD Excelência

Foto